COMPOST BARNS

TEMOS PARA VENDA A MARAVALHA DE PINUS LIMPO E ESTERILIZADO PARA ATENDER REBANHOS DE VACAS LEITEIRAS E OUTRAS CRIAÇÕES QUE DEPENDEM DESTE SISTEMA PARA SUA PRODUÇÃO.

FARDOS DE MARAVALHA DE PINUS DIRECIONADOS PARA :

COMPOST BARNS

AUTO ÍNDICE DE ABSORÇÃO DE UMIDADE;
COMPOSTAGEM BEM EFICAZ;
CONFORTO PARA O ANIMAL;

PEÇA INFORMAÇÕES:
COTIA – SP = 11.95640.8770 + WHATSAPP



Estes produtos acima é uma parte da base do Compost Barns:

São acrescentados mais produtos e processos para chegar no grau de absorção que o sistema exige.




Você sabe o que é um Compost Barn?

Texto do site abaixo = Revista Leite Integral

http://www.revistaleiteintegral.com.br/noticia/voce-sabe-o-que-e-um-compost-barn

O sistema

Esse sistema é composto basicamente por uma grande área de cama comum (área de descanso), normalmente formada por maravalha ou serragem, separada do corredor de alimentação ou cocho por um beiral de concreto. O diferencial deste sistema é a compostagem que ocorre ao longo do tempo com o material da cama e a matéria orgânica dos dejetos dos animais.

O processo de compostagem consiste em produzir dióxido de carbono (CO2), água e calor a partir da fermentação aeróbia da matéria orgânica. No compost barn, as fezes e urina das vacas fornecem os nutrientes essenciais (carbono, nitrogênio, água e microrganismos) necessários para que ocorra o processo de compostagem. O oxigênio usado na compostagem é proveniente da aeração diária que deve ser realizada na cama. O sucesso do processo de compostagem depende da manutenção de níveis adequados de oxigênio, água, temperatura, quantidade de matéria orgânica e atividade dos microrganismos, que produzem calor suficiente para secar o material e reduzir a população de microrganismos patogênicos. Para que esse processo ocorra, a temperatura deve variar de 54 a 65?C, a 30 cm da superfície da cama.

No Brasil, o compost barn ainda é pouco utilizado, porém, nos Estados Unidos, este sistema vem ganhando espaço em alguns estados produtores de leite. Um estudo desenvolvido pela Universidade de Minnesota, avaliou o compost barn quanto ao conforto e longevidade dos animais. Foram acompanhadas doze fazendas leiteiras que adotavam o sistema com o objetivo principal de proporcionar conforto aos animais, aumentar a longevidade das vacas e melhorar a facilidade de manejo que está associada a este sistema. Os resultados deste estudo indicaram alguns pontos interessantes em relação ao conforto e ao impacto em produtividade e longevidade:

• Redução de problemas de casco – comparado aos sistemas tipo free-stall, no compost barn, as vacas têm mais espaço, o que permite maior liberdade de movimento, tanto para se locomover quanto para deitar. Além disso, mesmo quando em pé, as vacas permanecem sobre uma superfície mais macia que no concreto. O estudo realizado no estado de Minnesota demonstrou uma porcentagem de 7,8% de vacas com problemas de casco em propriedades com compost barn, contra 19,6 a 27,8% em propriedades com free-stall.

• Melhores índices reprodutivos – com a melhoria na sanidade dos cascos, as vacas apresentaram maior facilidade de manifestação de estros, melhorando a taxa de detecção de cio pelos tratadores de 36,9% para 41,4%, e as taxas de concepção de 13,2% para 16,5%, quando as vacas foram deslocadas do free-stall para o compost barn.

• Melhoria da qualidade do leite – redução da CCS e menor incidência de mastite. Esse fato pode ser explicado tanto pela redução da incidência de mastite ambiental, pela redução da carga microbiana na cama e melhoria da condição de higiene das vacas antes da ordenha, quanto pelo melhor funcionamento do sistema imune das vacas promovido pelo ambiente mais confortável.

• Redução no acúmulo e descarte de dejetos – redução na mão de obra e custos para armazenamento, em comparação com sistemas de free-stall.

Alguns produtores relataram ainda que um grande incentivo para o uso do sistema é o seu baixo custo inicial de investimento, quando comparado aos custos de construção de um galpão tipo free-stall.

Fazenda Santa Andréa: Uma experiência pioneira na utilização do “Compost Barn” no Brasil